Dei a permissão, agora não tem mais volta.

Nunca imaginei que seria tão bom assim, me permitir Bem-Me-Ser.

Em outras palavras: estar em PAZ comigo, mesmo desbravando minhas partes mais sombrias que por tanto tempo estavam entocadas e adormecidas, e olha que quanto mais procuro, mais eu gosto. Sabe aquela sensação de “Avance uma casa”, é assim que sinto, toda vez que mudo o olhar e acendo luz naquele “gigante” que criei.

As “gavetinhas” do: estar adequado, politicamente correto, o que os outros vão pensar, é isso ou então não serve, e se o outro não gostar mais de mim, blá blá blá, em formas de pensamentos, sentimentos, emoções, atitudes, repetição de padrões, enfim, tudo aquilo que te bloqueia de SER INTEIRA.

Assusta? Sim. Dá trabalho? Muito. Dói? Pra caramba. Amadurece? Com certeza. Vale a pena? Vale cada segundo. Tem volta? Não e continua por toda vida (quanta emoção!).

É preciso coragem e disposição para se auto-conhecer. Pegar a rédea da minha vida, com a consciência que eu sou responsável por TUDO que atraio, me tira do lugar de vítima e me dá força para ser mais compreensiva e verdadeira comigo.

Todo esse movimento, só pude fazer porque tenho um ALIADO que fez TODA a diferença: CONFIAR e Entregar TUDO para o meu EU SUPERIOR (entenda também: Ordem Cósmica, Espírito Santo, Deus…), me colocar DISPONÍVEL para as INFINITAS POSSIBILIDADES do AMOR, que É o que SOMOS.

Sim, temos essa escolha.

Sim, os Milagres acontecem.

Duas ferramentas que me facilitam e são o meu SUPORTE nesse processo: praticar o Miracle Choice (jogo da qual sou facilitadora e é inspirado no livro Um Curso Em Milagres, que mudou minha maneira de “enxergar” Deus) e o Gold Stanford EFT (técnica de liberar emoções, um tipo de “acupuntura emocional” ). Claro que estudar Vedanta, fazer terapia, leituras, cursos diversos com foco no autoconhecimento, estão na minha construção de quem ESTOU hoje, assim como minha paixão por assuntos ligados à alimentação consciente e medicina natural.

É com essa “bagagem” que sigo caminhando e hoje, posso dizer que AMO trabalhar com o meu projeto InTuAção – Ação em Si Mesmo, onde posso compartilhar essa vivência com esses recursos que mencionei, além de técnicas de meditação e respiração.

Aqui no site, em Serviços, você pode conhecer um pouco mais sobre esse e outros projetos, relacionados ao Bem Viver.

Agora me conta aqui nos comentários, em que momento você deixa de ser verdadeira e inteira com você mesma? Ou, o que você faz para exercitar sua conexão com você mesma?

Com amor,

Ana Castilhos

 

 

Deixe uma resposta